Dota 2 no Brasil: há esperanças?

 Novidades
  • ACOMPANHE AS NOVIDADES TAMBÉM PELO NOSSO FACEBOOK!

Acabou a X5 Mega Arena-SP, assim como outros presenciais e com isso fica no ar aquela sensação constante: “E agora, será que já somos grandes? O que vem por aí, e o que esperar?”.

Para nós, jogadores de Dota 2, principalmente os brasileiros, é difícil adivinhar o futuro nesse cenário cheio de altos e baixos. Com tanta incerteza, estamos preocupados e queremos – não apenas queremos, mas precisamos de mudanças.

Quem somos nós? Somos uma comunidade inteira tentando incessantemente crescer e ser reconhecida. E mais: somos problemáticos, muito problemáticos.

Recentemente, saiu uma matéria no UOL jogos sobre como o Dota 2 vem falhando em crescer no Brasil, dizendo como o League of Legends possui maior base de jogadores e investimento e como “atraiu muito mais público” na XMA. Pode até ser positivo que a mídia fale sobre Dota, entretanto é impossível não se zangar ao notar que até hoje continuam fazendo essa comparação cansativa entre os jogos da Valve e da Riot Games.

É indiscutível – sim, LoL possui mais fãs. O simples fato de ter sido lançado antes e ser reconhecido pelo público anteriormente já pesa nos números. A postura de sua empresa com relação à publicidade é muito agressiva e expansiva, enquanto a Valve por muito tempo acreditou que apenas a qualidade de seus jogos e a comunidade seriam o suficiente para torná-los comerciais o bastante.

Mas as diferenças não param aí. Defense of the Ancients, jogo que deu origem aos MOBAs modernos, surgiu de um RTS (Real Time Strategy – Jogo de Estratégia em Tempo Real), considerado um dos gêneros mais desafiadores já criados.

Enquanto LoL tentou se afastar dessa proposta com mecânicas simplificadas, a equipe do nosso querido Icefrog nunca abandonou as origens e a complexidade inerente ao Dota 2, atraindo e afastando jogadores e fãs.

Chega_DotaLoL_LastHit

Seguindo esse raciocínio, todos já estão cansados de saber as diferenças entre esses dois MOBAs. Não é comum comparar Pokémon com Final Fantasy, por exemplo. Embora ambos sejam RPGs, contudo possuem visual, mecânicas e objetivos completamente distintos.

É necessário parar de comparar os dois jogos. Dota 2 e League of Legends são de empresas, ambientes e ideais diferentes, para públicos diferentes.

Superado esse problema, é necessário olhar para o nosso próprio cenário e enxergar os seus problemas internos. Por mais que existam outros jogos que já dão certo, contando com uma boa base estrutural, Dota depende de sua comunidade para existir e crescer. Essa é quase a “ideologia” da Valve: vocês fazem, nós avaliamos.

E isso não é de agora. Essa postura vem desde o Counter Strike 1.6, onde o próprio cenário movimentou o jogo e transformando-o em um gigante no quesito competitivo dentro dos eSports. Atualmente, o CS:GO anda sofrendo um pouco pra se restabelecer no Brasil, porém ele está vivo, crescendo firme e forte com o auxílio da própria comunidade.

Dota 2 no Brasil, como vive? Do que se alimenta?

Imagine-se entrando numa capital tão extensa quanto São Paulo, sem conhecer ninguém. Essa cidade não tem placas de direção suficientes, mas há pessoas confiantes indo para todos os lugares. Todas andam com pressa e são ríspidas, já estão acostumadas à cidade grande há muito tempo, enquanto você é o novato naquele lugar, não entende nada e fica receoso de pedir informações, graças à reação dos locais.

É basicamente essa a sensação de alguém tentando começar a jogar Dota, completamente desnorteado e sem uma orientação de como chegar até um lugar onde possa aprender algo.

O nosso cenário ainda está bastante fragmentado: são diversas organizações de narração, várias organizadoras de campeonatos, inúmeros fóruns de discussão, sites com informação de heróis e nenhum possui “o selo de aprovação da Valve”. Fica difícil, para não dizer quase impossível, alguém novo encontrar o cenário brasileiro de Dota 2 por pura e espontânea vontade… É ainda mais impossível atrair quem não sabe da existência do mesmo.

SeloGabeNDeQualidade_LastHit

Como esperar que o Dota cresça tanto quanto o LoL se não existe nada que ajude uma pessoa nova a jogar? Não é raro observar pessoas falando que são novatas no jogo ou em grupos no Facebook, enquanto jogadores mais experientes destilam ódio, rindo e falando o quão noob são essas pessoas. Poucos se dão conta de que para o jogo continuar crescendo, novas pessoas precisam se interessar, serem atraídas pelas mecânicas.

Todavia, ouve-se cada vez mais a enfatização de como “Dota não é pra qualquer um”. Assim como dizem que jovens são o futuro da nação, os novos jogadores são o futuro de um jogo também. Sem pessoas novas jogando e sem atrair público, como fazer o cenário crescer?

Ressaltando mais uma vez: Dota 2 não é carregado por uma empresa, como o League of Legends, Smite, Heroes of the Storm. Ele é gerido pela própria comunidade. Por isso, deve-se sempre pensar antes de sair aos quatro ventos com um comportamento tóxico: se nós mesmos não nos ajudarmos, ninguém irá fazer isso por nós. E se nós não ajudarmos as pessoas novas, o jogo nunca vai crescer, e olha que o jogo já é bem difícil por si só.

Isso tudo vale também aos grupos que se propõe a ajudar o cenário, que não são poucos e nem mal intencionados, apenas nem sempre sabem lidar bem com certas situações. O ponto é que existe sempre uma competição por uma posição ainda inexistente no nosso cenário: nenhuma empresa ou grupo lucra com Dota.

Quem lucra, o faz individualmente e essas pessoas são raras. Mas é o suficiente para incentivar a criação de novas organizações, com um pensamento um tanto quanto distorcido – “como a Valve não faz nada, ganharei dinheiro com isso fazendo melhor do que já fazem”. A ideia não é ruim e não é tão errada, pensando em capital a curto prazo e durante um breve período.

Todavia, analisando a cena brasileira mais a fundo, há na realidade uma disputa por um capital ilusório. Ao invés de todos se unirem para fazer algo realmente estruturado e chamar atenção do público geral e da Valve, tudo termina em pizza – uma grande briga de egos sobre quem ajuda mais o cenário, discutindo até mesmo com a própria comunidade. Devemos sempre lembrar que a comunidade é formada por muita gente: jogadores, organizadores de campeonato, organizadores de evento, streamers, reclamões de Facebook, frequentadores de fóruns, redatores, enfim, todos e muito mais.

bbk_paineg_lasthit

Apesar disso tudo, é necessário ser pessimista? Por enquanto foi dito que o Dota depende de seus usuários pra existir, e atualmente a comunidade atua de um jeito menos amigável, mais competitivo – e não de um jeito bom. As organizações possuem desavenças entre si por mais espaço e benefícios, enquanto os jogadores brigam para decidir quem é o melhor utilizando o MMR como argumento. Isso sem contar nas discussões dentro das partidas, normalmente se transformando em brigas pessoais. Talvez seja uma luz no fim do túnel, mas o pessimismo não deveria ter espaço nesse assunto.

Primeiramente, é bom lembrar a todos que no ano passado aconteceram dois grandes eventos presenciais: a XMA e a BGS, onde a paiN Gaming recebeu mais de R$40.000,00 ganhando os dois presenciais em primeiro lugar. Veja bem: no ano passado, foram mais de R$70.000,00 de premiação destinados apenas ao Dota, se somarmos a premiação apenas da BGS e da XMA.

Esse ano, a XMA dobrou a premiação de R$7.000,00 para R$14.000,00 onde, com um maior número de eventos e consequentemente premiação extra, mais times possuem chance de participar de eventos presenciais e ganhar uma fatia desse bolo. Há também o fato do campeonato da BGS desse ano ainda não ter sido anunciado, porém aparentemente muitas surpresas e novidades aparecerão para o Dota no Brasil.

Em segundo lugar, aos poucos a Valve veem se mexendo, abrindo os olhos para a comunidade e fazendo pequenas mudanças que podem ser úteis se utilizadas da maneira correta. Mesmo sendo especulação, a empresa de Gabe Newell deu a entender que os campeonatos anteriores ao The International (o único organizado efetivamente pela Valve), serão feitos por organizações já existentes nos países onde elas atuam.

Aqui no Brasil ainda não há nenhuma organização com uma estrutura realmente grande de campeonatos capaz de atrair a Valve. Apesar delas serem muitas, são todas pequenas e com pouca estrutura. A presença de algo mais elaborado, com uma certa dose de investimento privado, suportado por uma equipe que de fato seja unida e trabalhe com a intenção de fazer o cenário de Dota 2 crescer sem intenção de ganhar dinheiro primeiramente, pode atrair a atenção da Valve. Mas pra isso é preciso antes crescer e mostrar que somos capazes de fazer isso, se não nunca haverá credibilidade.

Por isso, vem a pergunta: onde está o real problema? Será que é só a falta de investimento? Será que é a Valve ou será que transtorno se encontra no coração da comunidade, que bate forte mas acaba sangrando para todos os lados?

Esse não é o primeiro texto que pede atenção à comunidade, e muito provavelmente não será o último. A esperança existe e está em cada um de nós. Aqueles que leram até aqui acreditam no Dota, então acredite também no seu poder individual de fazer esse jogo crescer. Seja durante uma partida, agindo de maneira mais educada com os companheiros, indo aos poucos eventos, apoiando aquele jogador que faz streams ou ajudando uma organização: lembre-se que estamos falando de um jogo comunitário, e que uma comunidade é feita de indivíduos. Ou seja, cada um pode transformar – e muito! – esse jogo e esse cenário.

  • Pedro Calmon

    Belo texto Guaxi, realmente o que falta hoje é a galera focar mais em ajudar um ao outro do que nessa triste briga de quem é melhor

    • Ajudar os outros e eventualmente xingar um ou outro carioca folgado do time, né Calmon? Hahahahaha <3

    • Guashineen

      Obrigada lindinho <3

  • Paulo Cesar

    Sem contar a intriga entre “brbrbrbrbr” X “jajajaj”…

  • Roberto Leopoldino

    A comunidade é importante, mas sem o envolvimento direto da Valve, acho difícil algum dia superar lol em players. Talvez se a Valve adotasse um esquema de dificuldade ingame (easy, normal, hard), com easy sem deny e com hits mais potentes pra facilitar o lh facilitasse, ou talvez com mapas e objetivos variados como o hots (Já que nesse estilo, todos copiam todos), o jogo começasse a ganhar mais players. Soube que trabalham com a possibilidade de um dota com a nova engina da valve, quem sabe não vem mudança por ai.

    • Roberto, isso é meio impraticável, porque seria uma mudança muito grande no jogo. Aliás, nem isso, seria praticamente desmembrar o Dota em 3 sub-jogos. Em vez de unir, você separa. Isso não é muito interessante a longo prazo.

      A Source 2 tá vindo aí sim, mas essas decisões de gameplay não são técnicas, são conceituais. Não precisa de engine nova pra mudar muita coisa.

    • kamui -Ice-

      ai o cara fica jogando no easy e quando vai pro normal perde tudo os lh e os deny kkkk, sem contar a noção de dano, que vai mudar pra caramba, tinha que ter é um esquema que quando vc começasse no dota, exemplo: 0 partidas, lv 1, 0 vitórias, se tinha que adquirir certo lv, ou partidas, ou vitórias pra ai então poder jogar com pessoas do seu nivel, acho justo, joguei dota por muitos anos (dota1 – garena), quando peguei a chave pra jogar o dota2 na steam, logo depois do primeiro TI, eu apanhei igual mulher de traficante, por que por incrivel que pareça, até mesmo no começo tinha muito nego vicio já, e que qualquer cagadinha dava rage em vc, mas logo com o tempo fui melhorando :)

      • Cara, eu jogo DotA desde antes do Icefrog assumir a edição dos mapas e continuo praticamente tão ruim hoje quanto eu era há uns 10 anos atrás.

        • Jow Lopes

          Achei que era só eu brother! kkkkkkk

    • Guashineen

      Mas pro dota crescer e se sustentar ele precisa necessariamente ficar maior que o LoL? Todos os esportes no mundo, um dia ja tentaram superar outro ou eles apenas aceita seu publico? Posha, ve os jogos de tenis por exemplo, tem um publico bem menor do que futebol, porem é um jogo que existe campeonatos e torneios e eles estão muito bem, obrigada.
      Talvez Dota não precise ser O MAIOR MOBA, com muito mais players, muito mais tudo, pra mim o Dota precisa só ter que conseguir andar com as proprias pernas e se manter vivo com uma comunidade que consiga interagir com o jogo e com ela mesma, d a partir disso, se divertir seja jogando x1 com um amigo noob ou assistindo o time favorito tentando se classificar pro Ti

  • Douglas Viana Morais

    Bom texto guaxi, mas ainda tenho a forte impressão que o real problema da comunidade brasileira de DOTA 2 começa dentre os seus jogadores “profissionais”… que se mostram cada vez mais o espelho da comunidade.

    • Então Douglas, eu acho que, se os profissionais que temos são fracos, ruins ou tem uma postura pouco amigável, é reflexo da comunidade, e não o contrário.

      Se a comunidade é forte, educada e respeitosa, surgirão profissionais desse perfil. Agora se na comunidade todo mundo é babaca, metido a sabe-tudo e xinga tudo e todos, não dá pra esperar que a gente gere profissionais que se comportam como Lordes Ingleses, não acha?

      A solução do problema começa com a gente, nos pubs, nos fóruns, nos posts e comentários. Tem que tentar ser educado e paciente até com quem não merece.

      • Guashineen

        Manchae seu lindo casa comigo <3

  • Juliano Santos

    A comunidade do Dota é uma das piores que já conheci, eu jamais irei deixar de jogar Dota, e acredito no bom trabalho da Valve, mas tenho pouca esperança em ver essa comunidade mais madura, consegue ser pior que a do Battlefield.

    • Juliano, imagino que tu esteja falando sobre a comunidade BR, não sobre a comunidade do Dota em geral. Se tu for fluente em inglês, dá pra ver que há muito troll lá fora também (como há em toda a internet), mas o pessoal se importa menos em fazer chacota de quem tá tentando melhorar a cena, organizar as coisas, cobrir os eventos.

      Eles apoiam mais os times, as ligas, os streamers, os sites, os jogadores, sem a necessidade de ficar falando que tudo é um lixo ou que os esforços dos outros são inúteis e irrelevantes. É só dar uma passada no Reddit de Dota2 pra ver como o nível da maioria das discussões é diferente.

      Aqui no Brasil, sim, tem muita raivinha mal-direcionada, porque parece que cada um só se importa com o próprio umbigo. Não entende que, se a cena crescer como um todo, ele não vai perder o próprio espaço, só vai ganhar mais com isso. Mas o medo de ser considerado “noob” ou cair numa partida com “alguém que afunde o time” é maior que isso. Afinal, a culpa nunca é dele, sempre é dos outros.

      • Juliano Santos

        Eu tenho jogado mais GTA online ultimamente, to achando o Dota hoje mais estressante do que divertido, e sim, falo inglês, embora não perfeitamente, e por causa disso joguei muito em server gringo. Concordo contigo em partes, eles dão mais valor aos campeonatos, suportam mais os times e nas partidas com gringos tem muito mais teamwork e empatia, porém, são bem mais xenofóbicos e trolls que nós Brs, reclamam dos Russos e Filipinos enquanto nós temos que conviver com os Peruanos. Eu tava tão acostumado com a comunidade tóxica do Dota que quando fui jogar Gta online eu me espantei, o pessoal te ajuda lá, seja Br ou gringo, tem mais cooperação, o pessoal vai até você pra te mostrar coisas nos mapas, te levar em serviços e muitas vezes até dropam armas pra você em missões e etc..É engraçado que num jogo tão caótico como Gta tenha mais teamwork que um jogo como Dota, em que o time mais unido quase sempre vence.

      • marcosr.

        Isso mesmo.
        Comecei a jogar Dota em outubro de 2015 e quase desisti, o rage era muito grande, sem contar a falta de educação.
        Até que um dia descobri que conseguia jogar em server americano de boas, foi aí que começou a diversão. Me dedicando a completar o Challenge Heroes(87 vitórias). South America server nunca mais.

  • Andrio D. Tavares

    ótimo texto. ;-; Mas acho difícil a comunidade melhorar tão fácil, ainda mais por se tratar de um jogo competitivo. Mas vamos lá :B

    • A comunidade de muitos esportes, competitivos por essência, são organizadas e polidas. Eu sei que não dá pra querer que o Dota 2 tenha uma comunidade do nível “gentleman” do público dos Grand Slams de Tênis, mas se a gente chegar no nível de uma NBA ou NFL, mesmo com as rivalidades, disputas e briguinhas, já tá mais do que ótimo.

  • Roger Inacio

    Texto bacana, mas vamos a alisar a comunidade brasileira em geral. Em qualquer game ou da maioria dos lugares. Veja que se trata da cultura brasileira, a RIOT lucra aqui pelo seu marketing, mas se em outras nações acontece diferente com o Dota qual seria o erro exatamente? Ao meu ver se trata das pessoas brasileiras que carregam essa cultura de pouca paciência e de tentar se impôr sobre outros. Provavelmente meu texto está todo errado, mas creio que dê pra entender claramente. Forte abraço!

    • Exatamente, Roger! esse individualismo é inerente ao brasileiro, a famosa “Lei de Gerson” (que é basicamente levar vantagem em tudo), o “jeitinho brasileiro”. Só que não é só porque a gente é HUE BR que a gente tem que agir como um babaca, certo? As vezes tem que pensar que tu é parte de uma comunidade pequena, seleta, de uns poucos privilegiados que sabem aproveitar e se divertir com esse game. Já é tão raro pegar partidas boas, tem tanto badmanner, flame e encheção de saco… mas o que cada um de nós está fazendo pra mudar isso?

      • Roger Inacio

        Certo, eu mesmo tento ajudar tanto em partidas como em fóruns. Isso vai melhorar, mas antes toda a comunidade precisa enxergar isso.

    • Guashineen

      O problema é que a Riot fez uma pesquisa de mercado muito boa antes de escolher paises nos quais se instalar. Ela veio pro brasil, um pais bem populoso e começou a pesar no marketing, isso ajuda muito no crescime to do jogo pq faz as pessoas quererem jogar ele. Ja em outros paises, a atuação da riot é menor, e ai por isso outros jogos tem mais espaço. O problema é que o dota precisa crescer independente de riot e lol, só precisa ser ele mesmo e crescer por sua conta e que se dane os outros jogos. Cada um é cada um, cada jogo tem sua evolução.

  • Philippe Benevides

    Seguindo a linha de pensamento do texto, o que faltaria no cenario brasileiro seria uma fonte de informaçoes. Esse segundo XMA, desse ano, foi grandemente anunciado, mas infelizmente, nao vi um site de dota, nem nacional, ou internacional, tentar uma cobertura, nem ao mesmo achei uma noticia sobre a vitoria da pain, fora da pagina do facebook. Essa falta de informaçao faz com que os times nao sejam reconhecidos e por isso se desfaçam e percam patrocinio. Num post antigo, sugeri ao Last Hit a criaçao de uma aba de times, como nos sites joindota e gosugamers, possibilitando uma proximidade maior com aqueles que nós entendemos como pros. Alem disso, nenhum site é capaz de acompanhar os milhares de campeonatos diferentes do pais, entao, na maioria das vezes, acho extremamente dificil saber quando serão os jogos, como esta a tabela, entre outros. Em alguns casos, os proprios campeonatos tem isso em seus sites, mas ainda sim, falta um tipo de centralizador. Sem esse tipo de informaçao, exposiçao e estabilidade, os patrocinadores dos times nao tem sua marca valorizada e perdem o interesse no investimento. Portanto, a melhor saida para uma melhora no cenario profissional, seria a criaçao, ou a transformaçao de um site atual, de uma plataforma com times e campeonatos.

    • Então Philippe, aí tu não tá considerando muitos dos problemas que envolvem fazer esse tipo de coisa. ‘Xeu tentar te dar uma luz nesse ponto:
      As organizações tem um contato bem fraco com a imprensa, o que não é de se espantar porque a própria Valve também é assim. A gente só fica sabendo das notícias, mudanças e transferência ao mesmo tempo que vocês, pelos sites, tweets e posts no Facebook. E, muitas vezes, algumas coisas se perdem porque ninguém nem ao menos deu um toque.
      Fica bastante difícil fazer cobertura dos eventos se nem eles mesmos sabem quando vão ter jogos, ou quem é quem nos times.
      Pra gente fazer algo do gênero, precisaríamos colocar alguém que não fizesse nada 24h/dia a não ser buscar informações e acompanhar campeonatos nacionais. Ou mais de uma pessoa, porque muitos deles acontecem simultaneamente. É bastante complicado fazer a logística disso sem ajuda nenhuma.
      O que a gente tenta propor é, na realidade, uma postura mais profissional de todos os lados. Das organizações com a imprensa, dos eventos com os times, dos times e organizações com o público, e por aí vai. A gente só vai se estruturar se o pessoal começar a tratar com respeito e educação quem se esforça pra melhorar a cena como um todo.

  • André Cavalcante

    Um belo texto. Acredito que muitos compartilham dessa visão que foi exposta, eu sou um deles. Concordo quando se diz que LoL e Dota não devem ser comparados, pois são 2 nichos diferentes, compartilhando apenas o gênero.

    Porém, infelizmente, nem todos estão preocupados com o Dota, e existem outros que estão, sim, preocupados, mas não se esforçam para que o cenário mude. E como você mesmo disse, o Dota é um jogo que depende de sua comunidade, e o comportamento dessa comunidade impede que nosso querido MOBA siga em frente.

    Não sou pessimista, pois não só acredito que é possível melhorar essa situação, e provavelmente vai. Minha grande preocupação é quanto tempo isso vai demorar. Será que em 2 anos estaremos em uma posição realmente confortável? Será levará uma década? Será que o Dota ainda estará vivo dentro do cenário competitivo por tanto tempo, assim como CS vem se mantendo (mesmo que mal)?

    A nossa comunidade infelizmente é precária e somente nós mesmos temos a capacidade de mudar isso. Mas mudar o comportamento de uma comunidade não é nada fácil, requer tempo, vontade, paciência e cooperação. Podemos muito bem fazer a nossa parte, mas se a grande maioria não o fizer, infelizmente não daremos passos à frente. Eu entendo o seu incomodo, mas é, também, um tanto quanto frustrante você se esforçar pra tentar mudar isso, e ao mesmo tempo você vê que nem todos tem essa preocupação, apenas olhando ao seu redor.

    Independentemente de tudo que eu disse, parabéns pelo texto.

    • Que comentário enorme, André! xD
      Vamos lá, vou tentar mostrar uns contra-pontos pra algumas das coisas que tu disse pra mostrar que a situação não tá tão feia quanto as vezes parece.
      Na real, ninguém estava preocupado com a cena de Dota 2, nem a Valve. Eles ganham muito dinheiro e é isso. Só que, como tudo tá começando a virar um caos e prejudicar o jogo em si, eles começaram a se mexer e a gente espera que não seja uma onda passageira.
      Mas uma das coisas que a Valve faz é recompensar quando a comunidade corresponde (exceto no caso do Half-Life 3, HUE³), e os Majors parecem ser o primeiro esforço deles em falar que a comunidade Doteira tá fazendo alguma coisa certa.
      Quanto ao CS, ele nunca esteve tão forte, na real. Tem muitos times, campeonatos e streams dedicados a CS hoje, e muitos dos times profissionais de Dota 2 hoje são organizações que começaram com um time de CS (Na’VI é um exemplo antigo, Ninjas in Pyjamas é um bem mais recente). Podemos dizer que, se desconsiderarmos as premiações, CS possui uma cena maior e mais bem-organizada do que Dota2, hoje.
      E quanto à frustração em relação à mudança, é o que nós, com o Last Hit, nos sentimos responsabilizados a conscientizar a maior parte possível da comunidade.Cada um tem que fazer um pouco a sua parte, por mais desanimador que pareça. Não podemos só “ir na onda” e ter atitudes negativas, só porque muita gente está assim.

      • Lucas Barros

        Desculpa amigo , mas Na’Vi não é do e muito menos os Ninjas in Pyjamas.
        a questão levantada do last hit foi o cenário ”brasileiro”.

        Abçs

      • André Cavalcante

        Como eu disse, eu concordo que o Dota segue evoluindo, a notícia da criação dos majors foi algo sensacional e que me animou bastante, por exemplo. E sim, concordo também que não se deve seguir a onda negativa e deixar de fazer a sua parte, mas por mais perseverante que o indivíduo seja, há momentos em que o sentimento é de que nada vai mudar.

        Cito como exemplo uma partida que tive há poucas horas, onde simplesmente nada dava certo em meu time, ganks, tf, nada, e ao invés de o povo se unir e tentar se esforçar pra melhorar as coisas, começaram os xingamentos ali, outros lá e nada saiu do lugar. Tento ao máximo amenizar discussões desse tipo, mesmo que não esteja envolvido, mas é frustrante você se focar nisso e ver que outras 4 pessoas estão mais preocupados em uma briga que não levará em lugar ao algum.

        E esse tipo de coisa não é de agora, vejo coisas como essa constantemente desde o Dota1.

        Mesmo assim continuo mantendo a esperança de que um dia esse tipo de coisa se tornará exceção e não mais a regra.

        Enfim, eu fui escrevendo e escrevendo, acabei desabafando, nem me liguei na hora no tamanho do comentário. (E o fiz novamente) =P

        • Sim, exatamente! Eu sofro bastante com os mesmos problemas, e acho que a maioria aqui sofre com eles também. Mas aquela uma partida que eu consigo jogar onde o time se comunica bastante e pede desculpas, faz questão de se ajudar e mesmo quando perde não fica apontando dedos… é em busca dessa partida que eu continuo jogando, e quando uma delas acontece eu me sinto renovado pra continuar me importando e tentando fazer a diferença. :)

          PS: Eu também não percebo o tamanho dos meus textos e comentários até postá-los, hahaha! xD

    • Guashineen

      Muuitíssimo obrigada, moço! De qualquer forma acho que o manchae já contemplou o que eu iria dizer, mas também concordo com seu ponto de vista. A comunidade dentro do jogo meio que refleta a comunidade externa à ela, ou seja, *pra mim* por mais que eu seja br e tal, eu acho que a comunidade brasileira como um todo ainda não é evoluída o suficiente aiiiinda, porém eu acredito que numa comunidade menor isso é mutável com um esforço coletivo e talvez um pouco de encheção de saco tipo com mil textos desse que escreviahahahaha e.e

  • Rafael

    Nunca vi tanto mimi. Envolvimento da Valve? A valve por acaso se envolve em outros campeonatos/divulgação em outros países fora o The international? A resposta é não, mas como todo brasuca, assim como este péssimo texto, adora colocar a responsabilidade nas costas dos outros e se eximir de toda responsabilidade. A culpa não é da comunidade, e sim das “entidades” brasileiras que organizam o dota. Um bando de otários que acham que irão enriquecer as custas do dota 2 e da comunidade, quando não conseguem…largam tudo. Vide Shigueo, Ploc, Torresmo, futuramente Chicão, Last Hit. Isso que dá os caras largarem tudo e o trabalho para abrir um site tosco desses.

    • Obrigado pela visita e pelo carinho, Rafael. Espero que todos os seus projetos deem certo e todas as suas ideias sejam sucesso.

    • Ives “Hywes” Aguiar

      Volte sempre

    • Math

      O pior é que quase tudo que tu falou eu concordo absolutamente.

    • Guashineen

      Eu comentei isso no meu texto, moço. Eu sei muitíssimo bem que as organizações br atrapalham, elas ficam brigando entre si pra querer crescer mais e ninguém cresce! De qualquer forma, eu não estou no LH pra ganhar dinheiro, porque por mais que eu necessite de dinheiros, eu tenho meu trabalho bonitinho da onde vem minha renda, e o Last Hit não foi criado com o proposito de gerar dinheiros, mas sim de comunicar e transmitir informação sobre dota e e-sports pra quem estiver interessado.
      Eu lamento que você pense dessa forma, mas eu entendo que isso é um reflexo de diversas coisas ruins que já aconteceram na nossa comunidade. Também espero de verdade poder provar que você está errado e que o Last Hit irá permanecer firme e forte ainda por bastante tempo :)
      Obrigada pelo comentário, espero que você nos visite mais vezes pra ver que nosso conteúdo pode ser bom e de qualidade e que vc mude de opinião um dia. :)

  • Arthur Laureth

    Ótimo texto. Eu como player de LOL por diversas vezes tentei jogar Dota 2. A comunidade não me ajudava mesmo dizendo que era novato! O jogo é muito complexo para quem está habituado com a simplicidade do moba da Riot Games. A comunidade de Dota 2 é mais velha porém, muito mais tóxica, ignorante e preconceituosa. Ao invés de acolher os novatos ela mesma os derruba, assim criando um efeito cascata onde os novos players desistem antes de aprender a mecânica ” eu fui um desses “. Jogo lol desdo beta e digo, nem sempre a Riot foi tão boa assim! Por muito tempo a mesma fechava os olhos e deixava o jogo nas mãos da comunidade. A mudança partiu da comunidade primeiro, para depois a Riot tomar as rédeas e gerar mudanças. Apenas quero pedir paciência com os novatos, ninguém aprende sem ajuda.

    • Diego

      Bem, você não pode começar a jogar algo e esperar que as pessoas te ajudem, eu mesmo, aprendi sozinho..desde a época do warcraft 3, conteúdo sobre dota na internet, é oque não falta, vai de cada um, a vontade para aprender. Jogadores tóxicos,ignorantes.. tem de monte em qualquer jogo.

      • Frederico

        “Tem de monte em qualquer jogo” não é uma justificativa. Eu mesmo ando muito desgostoso com o jogo atualmente devido justamente aos comportamentos tóxicos.
        Eu jogo para me divertir, cometo erros ocasionais que são normais de todo mundo. Não me importo de jogar com “noobs”, gosto de ajudá-los porque tive amigos que me ajudaram no início e isso foi muito útil pra aprender as mecânicas do jogo.
        O ponto é: jogadores tóxicos desestimulam os novatos a jogar. Assim como um professor tóxico desestimula um aluno a aprender, um colega de trabalho tóxico desestimula a pessoa a crescer na empresa. Independente de onde se esteja, ter alguém constantemente pisando na tua cabeça te desestimula.
        Então, se os jogadores de Dota 2 querem continuar jogando, terão que ser mais educados senão a Valve não vai manter o jogo por falta de público. Simples assim.

        • Diego

          Isso não vai mudar, se as pessoas forem parar de jogar, qualquer jogo que seja, porque tem muito jogador tóxico…ninguém vai jogar nada, no caso do dota 2, eu realmente não me importo mas, simplesmente ignore, reporta, muta, e o seu jogo segue. Quem realmente gosta muito do jogo, não vai parar por um motivo desses, a comunidade de dota 2 ainda é a mais forte.

        • Fabricio

          Concordo,

          O “porém” na verdade está em relação à ampliação do cenário nacional. Pessoas que sempre jogaram dota, vão continuar jogando.
          No nível que estamos hoje (atrás de Peru, Chile – diga-se de passagem), não vejo o Brasil participando de um The International nem daqui há 10 anos.

          Esse na verdade é um péssimo costume de brasileiro, não só em relação ao DotA, mas também se aplica ao LOL.

          Comecei jogando dota na eurobattle (2006-2007), nessa época não havia esse profissionalismo por trás, era mais fácil a iniciação nos games, mas hoje, a pessoa que joga há mais tempo já se acha “A PROFISSIONAL”, que impede de ajudar os companheiros que estão tentando iniciar no jogo.

          SIMPLES → se você quer jogar uma partida mais séria, vá para as filas rankeadas. Agora se você está participando de um Normal Game, estará sujeito à isso.

          Brasileiro não entende essas diferenças e sai falando “abobrinha” para todos…

          • Rodrigo Bispo Santos

            Apoiadíssimo companheiro !!! isso ai é bem mau de Brasileiro mesmo, isso não está contido em todos, mais em tolos que não procuram evoluir crescer entender que os outros países sempre estarão na frente do Brasil graças a esses tipos de pessoas que encistem em manter um comportamento medíocre.

    • Irving Castro

      Você me desculpe mas, a comunidade do LOL é tão porca qto a do Dota 2, tanto no quesito de rage qto no quesito “não vou ajudar player novo”. Pede pra um cara sem noção criar uma conta de lol e começar a jogar, vai bater de frente com tanto smurf(esse termo que surgiu no próprio league of legends) que vai ficar com raiva.
      O problema n é a comu do dota ou a comu do lol, o problema é o brasileiro q é egoísta e fodido msm. O lol n ta na frente em players e popularidade por causa da riot ou da comunidade, já dizem “the early bird gets the worm” certo? lol saiu alguns anos antes de dota 2. A mudança n é comoda pra ninguém, muito difícil vc tirar o camarada do game x e trazer pro game y.

      • Eu joguei o Dota 2 primeiro, e já era veterano do dota 1, porém acabei mudando para o lol por conta da comunidade.

      • Felipe Domingues da Silva

        Apenas gostaria de corrigir que o termo smurf já conheço desde que eu jogava age 2 a 15 anos atrás, de resto concordo parcialmente com o que tu falou se fosse realmente o caso do jogo mais antigo ser mais popular, o HoN seria o maior atualmente e na verdade está jogado as traças…

  • Player

    Parei de jogar dota 2 por causa da toxicidade dos players, é basicamente impossível se divertir jogando dota 2 hj em dia, a probabilidade de vc pegar uma partida equilibrada é minima.

    Jogo dota 2 quase desde o inicio do beta e antes dava gosto jogar, depois que saiu server na America do Sul o jogo acabou na região.

    Migrei pro LOL e estou satisfeito com o retorno que a Riot da para os players e o combate contra players tóxicos, enfim não tenho mais saco para jogar Dota e acredito que tem mt gnt se sentindo assim e que com certeza mudou de jogo por esse mesmo motivo.

    Não vejo recuperação em relação a isso tendencia é só piorar.

  • Vinicius Rodrigues Silva

    Bela discussão. Não sou pessimista e não tenho nada contra LoL, apesar de tudo não adianta falar, as pessoas ainda querem a resposta quem veio primeiro, o ovo ou a galinha.
    É o mesmo que falar que Half-Life foi um dos primeiros FPS e os outros jogos são só cópias, o resto é “gayzisse”.

    Acredito que melhorar o cenário no brasil seria tirar leite de pedra, primeiramente que o próprio jogo é totalmente desorganizado, infelizmente brasileiro é totalmente individualista, um jogo que depende totalmente dos 5 jogadores para ter sucesso sempre terá 1 ou 2 para atrapalhar.
    Segundo que 75% dos jogos que achamos seria contra “argentinos e peruanos” o que torna a rixa entre países ainda pior, pois os mesmos são totalmente organizados e unidos, completamente diferente de nós.
    Terceiro que o único suporte que teríamos da Valve é se o brasil todo fosse como um só.

    O próprio TI5 já mostra bem como o DotA2 está bem diferente, as metas de arrecadação de prêmio estão lá em cima em 10~15milhões de dólares, no TI4 isso bateu em 1 semana, no TI5 não chegamos nem a 7 milhões em 1 semana.

    Não sei se o LoL está mais atraente por suas mecânicas ou pela jogabilidade em si, só sei que pra tudo isso teríamos que melhorar o interno pra depois mudar o externo. Enquanto formos individualistas ( o que importa é o meu site fazer sucesso não o seu, o que importa é o meu dinheiro não o seu ) nada mudará

    • TI4 bateu US$10mi de premiação em uma semana? Onde? Quando? Rapaz, acorda desse sonho. A arrecadação desse ano tá 3x mais veloz que a do ano passado.

      • Leandro Henrique Santos

        Falar que a arrecadação do ano passado foi maior em uma semana é decretar que não acompanhou bosta nenhuma do TI do ano passado… Concordo com quase tudo, mas quanto à arrecadação foi fail meu amigo, a desse ano está muuuuuuito mais rápida que à do ano passado.

  • jmpessanha

    “É indiscutível – sim, LoL possui mais fãs. O simples fato de ter sido lançado antes e ser reconhecido pelo público anteriormente já pesa nos números.”

    Essa informação da matéria que destaquei acima não procede. Dota 2 poderia muito bem ter uma fanbase global maior que League of Legends, simplesmente pelo fato da ligação direta com os jogos “Dota” e “World of Warcraft”, ambos com uma fanbase absurda. No entanto, a fanbase do League of Legends é superior pelo trabalho regional que a Riot exerce. A Riot investe e foca seus trabalhos especificamente em cada região: Localização, dublagem, suporte, conteúdo, patrocínio de jogadores, streaners e eventos, transmissões ao vivo de alto nível profissional, dentre outros pontos.

    A Valve nunca foi excelência quando o assunto abordado é investimento e foco regional. Veja o Counter Strike por exemplo, com uma fanbase enorme na América do Sul, mais precisamente no Brasil, e ainda assim a Valve ignora o Brasil e sua comunidade. Tudo que ocorre no Brasil relacionado ao Counter Strike é por iniciativa, apoio e patrocínio de terceiros ou da própria comunidade. É talvez seja sempre assim, os jogos da Valve no Brasil sempre serão mantidos e empurrados pela suas próprias comunidades, nunca pela própria empresa.

    Sobre diferenças entre Dota e League of Legends. Cara, isso é besteira. Obviamente que os jogos não serão “100%” iguais, precisam de diferenças, afinal há um mercado a ser disputado. Mas no fundo, são jogos parecidos, do mesmo estilo, ambos tem a mesma origem e beberam da mesma fonte.

    Resumindo, a fanbase do League of Legends é maior que a do Dota, porque a Riot faz um trabalho melhor do que a Valve.

    • Então rapaz, esse não é um ponto discutido pelo texto, ele só é citado bem vagamente porque o objetivo qui não é ficar comparando tática de uma empresa com tática de outra.
      Mas tudo o que você apontou tá correto, por sinal.

  • Joao Victor

    Bacana mas enquanto os HUE HUE não serem banidos é meio que impossível, eu acho ridículo no Dota 2 por exemplo e no LoL , os troll ter que acumular report para poder ganha 1 report de 1 dia ou 2 ou ate 1 mês, estou jogando Heros of the storm e a blizzard não brinca em questão de trolls ou pessoas racistas entre outros tipos que merece ban, se vc tiver 1 print registrando ou ate video o ban é na hora !! Cansei de mandar prints, videos dos seguintes jogos Dota e LoL e nunca fizeram nada então prefiro jogar um jogo com empresas sérias que com empresas que espera a pessoas estragar jogos de vários outros jogadores que estão ali se esforçando para ganhar.

    Ótimo post curti =D mas espero que aconteça um dia… no dia que povo parar de HUEragem e se dedicar 1 pouco, e sim já joguei para ser um top mas cansei dota antes vc se divertia hj vc se stress !!

  • Gustavo Santos

    Quando comecei quase nenhum brasileiro jogava dota, não e só no Brasil que tem esses problemas porque nenhum gringo se ofereceu pra me orienta, Acho q e coisa de brasileiro MSM, Desisti muito fácil. Prefiro muito mais ter pouca gente que joga, do que muita gente jogando e estragando a brincadeira pró resto. Dota e um jogo, mais eu pessoalmente levo muito a sério. Detesto quando um noob que não sabe jogar. Não escuta os conselhos e ainda por cima estraga a brincadeira pró resto. Quando eles criar um jeito de organizar as partida de acordo com número de partidas do jogador, aí vai dar certo.

  • Diego Barbosa

    Antes de comentar algo, quero dizer que o trabalho de vocês são ótimos, pois está difícil achar conteúdo de forma organizada… Porém tem que começar a redigir mais coisas. O sucesso disso aqui depende de vocês, tá muito parado.

    Sobre o assunto, o Dota não é tão popular por vários motivos e com certeza a culpa não é dos players Brasileiros. Vou enumerar os motivos:

    1 – Mecânica. O Dota dificulta o acesso com interfaces/engines pesadas e servidores fora do Brasil que dificultam o aprendizado mais um pequena gama de modos de jogo que ajuda afunilar o público alvo e assim separando ou quem diga afastando o pessoal de forma significativa.

    2 – Falta de comprometimento externo (VALVE) e interno (organizadoras/empresas). Ou seja, se a VALVE nada faz, como podemos criticar a iniciativa privada em participar do cenário? Principalmente em um Pais que o e-sports não é tão popular e com isso ninguém ver DOTA 2 como um investimento impactante.

    Considerações finais: A cultura Brasileira. Preciso ser imparcial então vou comentar a respeito. Quem joga Dota ver como um jogo sério e logo quem se dedica ou enxerga jogos como algo sério com certeza tem “perfil” de vagabundo que não faz nada (cultura e isso afasta muita gente do cenário competitivo). Brasileiro tem a mania egoísta de querer ser melhor ou tá por cima, é mal educado, temos péssimos serviços de internet, vivemos de pirataria, temos todo um padrão comportamental já conhecido mundialmente de que não presta, típico de um país que ainda luta para ser emergente.

    Para finalizar, dependemos da VALVE mas o povo Brasileiro não ajuda, só que gosto de pensar que a VALVE é um lixo e tá nem ai então bem que elas poderiam tomar uma iniciativa, pois né atoa que a RIOT tá ai acreditando e deu certo… A pergunta é… Quando vamos mudar esse cenário? Tem gente que arrisca dizer o dia, mas eu te digo o seguinte, esse prazo não existe!!!

    Essa matéria é polêmica e envolve muita coisa na verdade… Com certeza dá para passar horas discutindo sobre.

  • Murilo Barbosa

    Excelente texto. Me parece que os jogadores precisam ganhar mais visibilidade no cenário nacional e a comunidade deve ajudar. E a comunidade deve se esforçar para se tornar menos tóxic. Players tóxicos devem ser combatidos.

  • Vieira Alexandre

    Vou dizer que o dota mesmo acabou na hora em que “ramificou” em 2 vertentes, a blizzard com o heroes of the storm e o icefrog com a vale. Outro grande problema destes “novos dotas” são os gráficos… parecem melhores, mas não são… sempre houve problema na distância do personagem com a “visão das nuvens” (não sei qual é o nome disso mesmo, mas é aquela visão do alto)… outro problema grande é o fato de usarem números demais à toa, falo no sentido de termos como damage: 30-40, por exemplo… ai vai aumentando até 1000, só que existem outros números no inventário, na programação, no gráfico, daí que eu reclamo dos gráficos, juntando tudo o jogo fica pesado demais… antes quem jogava dota usava um computadorzinho qualquer quase, hoje em dia não da… até o processador calculando tantos números está capengando e isso torna o jogo bugado pra todos… o gráfico nem se fala, realmente é melhor coloridinho, mas tá paia… em vez de usarem dano:1-2 ai depois de muito tempo a pessoas conseguia dano 100 e olhe lá…. o certo mesmo era dano baixo e life alto pra rolar fight fight mesmo, não um mata mata que mais parece head shot, muito peba isso, não é jogo de tiro, tem magia, muita faca e a porra toda, outro problema, quer dizer, burrice dos programadores é que está sendo obrigado colocarem dano aos aliados também em área, e tudo o mais se tiver na reta acerta e pronto, porque do jeito que está é jogo de doido, vc só consegue acertar o seu aliado se mirar nele, até ai tudo bem se for exatamente em cima pega, mas na hora da briga, na real tb pega e não tá acontecendo isso, por isto fica o maior furduncio sem estratégia é ai que ela entra, já que não é igual o xadrez, onde todas as peças são obrigadas a fazerem tudo junto, claro que não é cada jogador é uma peça, tudo bem podemos combinar e ir pro fight, mas não dá pra saber direito pra onde cada um vai porque não precisamos ter cuidados em acertar os aliados……..lembram-se de final fight, se acertar o aliado tira life e não é mirando não é acertar só em estar na área…. ou tartarugas ninjas, tb tem isso, contra e outros, nem era pra eu estar falando isso aqui, porque eu disse há muito tempo atrás que iriam fazer um jogo estilo dota, depois falei da rede no diablo ai fizeram e depois falei que os jogos traduzidos iam vender que nem água e ai aconteceu… às vezes é triste não nascer com a bunda virada pra lua

  • Ruan Victor

    Eu sou baiano e é engraçado quando nego fala: vish, é baiano. Até nisso a comunidade falha. Infelizmente, isso não é só problema de gente com preconceito, por isso ele ainda vive. Infelizmente esse problema está arraigado a cultura social das pessoas.
    Mais amor, pessoal, é isso que falta nesse coração do meu Brasil. Não tenho raiva de ninguém, muito pelo contrário, tenho amor por todos que tem respeito por mim, tenho todos da comunidade doteira como irmãos. Mais irmandade na comunidade doteira, e um novo cenário surgirá de partidas mais divertidas. ;D

  • Douglaz Machado

    corolho que texto <3

    ow nossa, cê me ~desafiou com isso aqui:
    "acredite também no seu poder individual de fazer esse jogo crescer"

    – Mas tipo, COMOOOOOOOO, me ajuda? o que mais tem no dota é bbk.

  • Lucas Souza

    Infelizmente o cenário continua o mesmo, eu mesmo já tentei jogar duas vezes, as duas desisti pelo numero de pessoas negativas em partidas, e o desrespeito que se tem. Jogadores usando o mic para discutir e estragando a partida de todos. Mais uma vez agora estou voltando pro DOTA 2, nunca joguei LoL mas confesso que quase me rendi ao game pois vi que sua comunidade era maior. Enfim, não é de hoje, e esse não é o único game em que vemos que os players Br de uma forma abrangente são mais ignorantes e individualistas, e não é atoa que servers gringos nos bloqueiam, enquanto isso não mudar, ficará dificil para se ter qualquer “profissional” de verdade no Brasil, pois são bem poucos.

  • ÓIHRÓIHYTPOIUHTF

    mano kkk quanto viadinho que vm do lol e n aguenta o rage do dota por ser iniciande. EU VO EXPLICAR SE VIRA VAI ATRAZ DE TUTORIAL O QUE VC VAI GANHAR NAS PT PEDINDO AJUDA É XINGAMENTO E REPORT EU APRENDI A JOGA SOSINHO COM OS CARA ME XINGANDO SE N AGUENTA A PORRA DOS XINGÃO VOLTA PRO LOL KRL QUE MERDA

Pular para a barra de ferramentas